Mesmo na pandemia, Tinder busca estimular relacionamentos internacionais

O aplicativo de relacionamentos Tinder quer diminuir o número de conversas que não passam do "Oi, tudo bem?" entre os potenciais casais.

Enquanto o mundo todo enfrenta um problema comum, na luta contra o coronavírus, o Tinder quer estimular conversas internacionais entre seus usuários nos diversos países. Para isso, a empresa vai lançar na próxima semana o modo batizado de Global, que será gratuito.

O aplicativo estreia na semana que vem em diferentes mercados, inclusive o brasileiro, a ferramenta Conta Mais, um espaço para incluir sugestões de assuntos curiosos no perfil para ajudar a quebrar o gelo.

São ganchos do tipo: "Se eu pudesse ter um super poder, ele seria" ou "Estou finalmente assistindo...". A resposta é incluída entre as fotos do usuário.

Segundo Elie Seidman, presidente-executivo do Tinder, a empresa monitora indicadores como a quantidade de matches de sucesso (quando duas pessoas se interessam uma pela outra).

Com base nesses dados, o aplicativo detecta quais são os desafios comuns aos usuários na evolução de um relacionamento.

"O que as pessoas mais dizem é 'oi', o que não é muito útil", afirma o executivo.

Segundo ele, este é um dos primeiros esforços da companhia na tentativa de criar mais interações para uma nova geração que chega agora aos 18 anos e está começando a usar o Tinder.

Esses jovens, diz Seidman, não diferenciam a experiência offline e online e se acostumaram a ter relacionamentos significativos digitalmente, em especial nos jogos como Animal Crossing e Fortnight.

Enquanto, no mundo físico, assuntos como o tempo ou esportes permitem começar uma conversa leve sem pressão, os games seriam o equivalente virtual.

Em abril, em reação ao distanciamento social e às restrições a viagens impostos pelo coronavírus, o Tinder liberou acesso gratuito ao recurso Passaporte, que permite ao usuário conhecer pessoas de uma região diferente da sua. São Paulo foi a cidade em que a ferramenta foi mais usada no período.

Foram feitos centenas de milhões de matches a partir do Passaporte, que existia como ferramenta paga, diz Seidman.

A ferramenta de chamadas em vídeo​, que o Tinder ainda não opera, passará pelos primeiros testes com usuários em junho, disse Seidman.

O executivo afirma que será um recurso gratuito e está em desenvolvimento pela equipe de segurança e privacidade da empresa. Usará inteligência artificial para coibir abusos, segundo ele.

Seidman diz que o coronavírus tende a acelerar a percepção de naturalidade em relação às ferramentas digitais, inclusive entre pessoas mais velhas, como pais e avós que aprenderam a fazer conferências no Zoom recentemente.

Brasil

Mais Artigos

Rio de Janeiro

Mais Artigos

Economia

Mais Artigos

Internacional

Mais Artigos

Cultura

Mais Artigos

Saúde

Mais Artigos

Política

Mais Artigos

Magnavita

Mais Artigos

O desaparecimento do advogado Juliano Gomes e a suas denúncias contra o pastor Everaldo ganharam destaque na mídia. A Polícia de Minas já tem a suspeita de um executor e emitiu ordem de captura.

Mais Notícias

Mais Artigos

Seria aconselhável que o círculo mais próximo de assessores presidenciais questionasse o chefe

Tristão impõe permanência de Mercês em duro telefonema. Governador faz juiz largar magistratura e promete presidência da Fundação do PSC. MP fala de novas provas e partido não pune Ottoni de...

Augusto Aras tem demonstrado imparcialidade à frente da Procuradoria Geral da República