Quarentenas ainda não foram suficientes para conter coronavírus no Brasil, indica estudo

As medidas de distanciamento físico para combater a pandemia no Brasil tiveram algum efeito mas ainda não foram suficientes para controlar a transmissão do coronavírus no país, mostra um estudo divulgado nesta sexta (8) pelo Imperial College.

Segundo um dos autores do estudo, o matemático Henrique Hoeltgebaum, "é esperado um colapso na capacidade hospitalar de alguns estados" se o padrão observado no país for mantido.

Um dos principais indicadores de controle da transmissão é o número de reprodução (Rt), que indica para quantas pessoas cada infectado com o coronavírus transmite a doença. Se esse número está acima de 1, a velocidade de contágio é crescente: cada contaminado passa o coronavírus a mais de uma pessoa, que por sua vez também a espalha para mais de uma pessoa, acelerando a infecção.

A pesquisa, assinada por 59 pesquisadores do Centro de Análise Global de Doenças Infecciosas (MRC), estima que as intervenções reduziram a mobilidade no Brasil em 29%, o que provocou uma queda de 54% no Rt, insuficiente para conter a expansão acelerada da doença.

Como comparação, estudos feitos na Itália mostraram que a quarentena reduziu a mobilidade em 53% e a Rt em 85%, levando o indicador significativamente abaixo de 1.

No Brasil, esse número chegou a ser de 2,81 no final de abril (ou seja, cada brasileiro passava o coronavírus para quase 3 pessoas), segundo as previsões de curto prazo feitas pelo instituto. Na previsão até o começo desta semana, o número era 1,49.

O trabalho publicado nesta sexta-feira analisou 16 estados com números de mortes suficientes para gerar resultados estatísticos confiáveis. Em todos eles, o R está acima de 1: o menor indicador é o de Santa Catarina, com 1,14 (variando de 0,91 a 1,38), e o maior, o do Pará, com 1,90 (de 1,57 a 2,31).

"Na ausência de intervenções importantes adicionais, um crescimento substancial da epidemia é esperado em todos os 16 estados brasileiros considerados, levando ao agravamento da crise da saúde pública", diz o texto.

São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará, Pernambuco e Amazonas concentram 81% das mortes no país. Entre esses cinco, o MRC calcula que São Paulo tem a menor porcentagem de população infectada: 3,3% (de 2,8% a 3,7%, com intervalo de confiança de 95%). A maior parcela de infectados está no Amazonas: 10,6% (podendo variar de 8,8% a 12,1%).

Embora não seja uma conclusão direta do estudo, os cálculos indicam que o número de infectados nos 16 estados analisados corresponde a 38 vezes o de casos confirmados oficialmente: pelas contas do Imperial College, havia até esta quarta (6) 4,2 milhões de infecções totais no Brasil, que teve seu primeiro caso relatado em 25 de fevereiro e se tornou epicentro da doença na América do Sul.

Pelos números oficiais, há mais de 135 mil casos confirmados e 9.000 mortes. O número de infecções dobrou nos últimos dez dias.

Brasil

Mais Artigos

Rio de Janeiro

Mais Artigos

Economia

Mais Artigos

Internacional

Mais Artigos

Cultura

Mais Artigos

Saúde

Mais Artigos

Política

Mais Artigos

Magnavita

Mais Artigos

O desaparecimento do advogado Juliano Gomes e a suas denúncias contra o pastor Everaldo ganharam destaque na mídia. A Polícia de Minas já tem a suspeita de um executor e emitiu ordem de captura.

Mais Notícias

Mais Artigos

Seria aconselhável que o círculo mais próximo de assessores presidenciais questionasse o chefe

Tristão impõe permanência de Mercês em duro telefonema. Governador faz juiz largar magistratura e promete presidência da Fundação do PSC. MP fala de novas provas e partido não pune Ottoni de...

Augusto Aras tem demonstrado imparcialidade à frente da Procuradoria Geral da República